Sobre J. R. R. Tolkien

John Ronald Reuel Tolkien foi um escritor britânico, poeta, filólogo e professor da universidade de Oxford. Ele é mais conhecido como o autor da obra de fantasia clássica que inclui os livros O Hobbit, O Senhor dos Anéis e O Silmarillion, dentre outros. Tolkien foi professor Rawlinson and Bosworth de anglo-saxão no Pembroke College, na universidade de Oxford, de 1925 a 1945 e professor Merton de língua e literatura inglesas no mesmo lugar entre 1945 e 1959.

Tolkien foi amigo íntimo de C. S. Lewis (autor do famoso As Crônicas de Nárnia), e ambos eram membros de um grupo literário de discussão informal conhecido como os Inklings. Tolkien foi nomeado Comendador da Ordem do Império Britânico pela Rainha Elizabeth II em 28 de Março de 1972.

Depois de sua morte, seu filho Christopher Tolkien publicou uma série de trabalhos baseados em extensas notas de seu pai e manuscritos inéditos, incluindo O Silmarillion. Estes, juntamente com O Hobbit e O Senhor dos Anéis formam um corpo conectado de contos, poemas, histórias ficcionais, línguas inventadas e ensaios literários sobre um mundo de fantasia chamado Arda. É uma grande história de mitologia completamente conectada, que o próprio Tolkien gostava de chamar de seu Legendárium, e que mostra influências da mitologia cristã, nórdica e anglo-saxã.

Enquanto muitos outros autores haviam publicado obras de fantasia antes de Tolkien, o grande sucesso de O Hobbit e O Senhor dos Anéis levou diretamente a um ressurgimento popular do gênero. Isso fez com que Tolkien passasse a ser popularmente identificado como o "pai" da literatura de fantasia moderna ou, mais precisamente, da chamada alta fantasia (em inglês, high fantasy). Em 2008, o The Times classificou-o como o sexto na lista de "Os 50 maiores escritores britânicos desde 1945".

Cartão natalino de 1892 no qual há uma foto colorida de Tolkien e sua famíla em Bloemfontein. O cartão foi enviado a parentes em Birmingham, na Inglaterra.

Tolkien nasceu no terceiro dia de janeiro do ano de 1892, em Bloemfontein, no Estado Livre de Orange (hoje província do Estado Livre, na África do Sul), filho de Arthur Reuel Tolkien (1857-1896), um gerente de banco Inglês, e a esposa deste, Mabel, Suffield née (1870-1904). O casal havia deixado a Inglaterra quando Arthur foi promovido a chefe do escritório Bloemfontein do banco britânico para a qual trabalhava. Tolkien tinha um irmão mais novo, Hilary Arthur Reuel, que nasceu no dia 17 fevereiro de 1894.

Quando era criança, Tolkien foi mordido por uma grande aranha babuína no jardim de sua casa, evento que alguns acreditam poderia ter ecos posteriores em suas histórias (com a criação da personagem Ungoliant), apesar de Tolkien dizer que não tinha nenhuma memória real do evento e nenhum ódio especial de aranhas quando adulto.

King Edward's School, em Birmingham

Tolkien frequentou a King Edward's School, em Birmingham e, mais tarde, a St. Philip's School, antes de ganhar uma bolsa de estudos e retornar à King Edward's School.

Mabel Tolkien se converteu ao catolicismo em 1900, apesar dos protestos veementes de sua família, que era Batista, e que posteriormente interrompeu toda a assistência financeira a ela. Em 1904, quando Tolkien tinha 12 anos, sua mãe morreu de diabetes. Ela tinha na época cerca de 34 anos de idade, pois o tratamento com insulina não seria descoberto até duas décadas depois. Nove anos depois da morte de sua mãe, Tolkien escreveu: "Minha querida mãe foi ela própria de fato um mártir, e não é a todos que Deus concede de maneira tão fácil suas grandes dádivas, como ele concedeu a Hilary e eu, dando-nos uma mãe que morreu com trabalho e esforço para assegurar-nos a manter a fé ".

Antes de sua morte, Mabel Tolkien tinha atribuído a guarda de seus filhos ao padre Francis Xavier Morgan, do Oratório de Birmingham, que foi designado por ela para criá-los como bons católicos. Tolkien cresceu na área de Birmingham Edgbaston. Ele viveu muito próximo às torres de Perrott's Folly e de Edgbaston Waterworks, o que pode ter influenciado as imagens das torres escuras dentro de suas obras.

Já adolescente, em 1911 e ainda aluno da King Edward's School, Tolkien e três amigos, Rob Gilson, Geoffrey Smith e Christopher Wiseman, formaram uma sociedade semi-secreta, que eles chamavam de "T.C.B.S.", as iniciais de "Tea Club and Barrovian Society", em alusão ao seu gosto para beber chá em Lojas Barrow perto da escola e, secretamente, na biblioteca da escola. Depois de deixar a escola, os membros mantiveram contato e, em dezembro de 1914, e chegaram a realizar um "conselho" em Londres na casa de Wiseman. Para Tolkien, o resultado deste encontro foi uma forte dedicação a escrever poesia.

Em 1911, Tolkien foi passar parte das férias de verão na Suíça, uma viagem que depois ele relembrou de maneira bastante vívida em uma carta de 1968, escrevendo que a viagem de Bilbo através das Montanhas Sombrias ("incluindo o deslizar de pedras para dentro do bosque de pinheiros") é baseada diretamente em suas próprias aventuras com um grupo de mais onze companheiros, que caminhou de Interlaken até Lauterbrunnen e mais além, para acampar nas moreias depois de Mürren. Cinqüenta e sete anos mais tarde, Tolkien se lembrou de seu pesar ao deixar a bela visão das neves eternas do Jungfrau e Silberhorn.

Em outubro do mesmo ano, Tolkien começou a estudar na Exeter College, em Oxford. Estudou inicialmente Arte e cultura clássicas, mas mudou de curso em 1913, para Língua Inglesa e Literatura, graduando-se em 1915 com honras em seus exames finais.

Edith Mary Bratt, que viria a ser Edith Tolkien.

Tolkien tinha 16 anos quando conheceu Edith Bratt Maria, que era três anos mais velha, e se tornaria sua esposa. De acordo com Humphrey Carpenter:

"Edith e Ronald passaram a frequentar casas de chá em Birmingham, especialmente uma que tinha uma varanda com vista para a rua. Lá eles se sentavam e jogavam cubinhos de açúcar nos chapéus dos transeuntes, mudando-se para uma outra mesa quando o açucareiro estava vazio. [...] Com duas pessoas com suas personalidades e posições, o romance estava destinado a florescer. Ambos eram órfãos carentes de afeto, e eles descobriram que podiam encontrar esse afeto um no outro. Durante o verão de 1909, eles decidiram que estavam apaixonados."

Seu tutor, o Padre Francis Morgan, enxergando Edith como uma distração dos estudos de Tolkien na escola e horrorizado por ver Tolkien seriamente envolvido com uma garota protestante, proibiu-o de encontra-la, falar, ou mesmo se corresponder com ela até que ele tivesse 21 anos. Tolkien obedeceu a proibição ao pé da letra, com apenas uma exceção, que fez o Padre Morgan ameaçam interromper a sua carreira universitária, se ele não parasse.

Na noite de seu vigésimo primeiro aniversário, Tolkien escreveu a Edith uma carta declarando seu amor e pediu-lhe para se casar com ele. Edith respondeu dizendo que ela já havia concordado em se casar com outro homem, mas que ela tinha feito isso porque ela acreditava que Tolkien havia esquecido-a. Os dois se encontraram então debaixo de um viaduto ferroviário e lá renovaram o seu amor, Edith devolveu seu anel de noivado e anunciou se casaria com Tolkien. Depois de seu noivado, Edith relutantemente anunciou que se converteria ao catolicismo, por insistência de Tolkien. Seu senhorio, um protestante convicto, ficou furioso e expulsou-a assim que ela conseguiu encontrar outro lugar pra morar. Edith e Ronald formalizaram sua união em Birmingham, em janeiro de 1913, e casaram-se em Warwick, Inglaterra, na Saint Mary Immaculate Catholic Church, em 22 de Março de 1916.

Tolkien como oficial na Primeira Guerra Mundial

Em 1914, o Reino Unido entrou na Primeira Guerra Mundial. Os parentes de Tolkien ficaram chocados quando ele optou por não se voluntariar imediatamente para o exército britânico. Em vez disso, Tolkien entrou para um programa no qual ele adiou seu alistamento até completar sua graduação em Julho de 1915. Ele foi então comissionado como Segundo Tenente nos Fuzileiros de Lancashire. Ele treinou com o 13º Batalhão (de reserva) em Cannock Chase, Staffordshire, por onze meses. Em uma carta a Edith, Tolkien reclamou: "Os cavalheiros (gentlemen) são raros entre os superiores, e até seres humanos são raros, de fato." Tolkien foi então transferido para o 11º Batalhão com a Força Expedicionária Britânica, chegando na França em 4 junho de 1916. Sua partida da Inglaterra em um transporte de tropas o inspirou a escrever seu poema, A Ilha Solitária.

Tolkien foi considerado inválido para a Inglaterra em 8 de novembro de 1916. Muitos de seus amigos mais próximos da escola, incluindo Gilson e Smith dos T.C.B.S., morreram na guerra. Ele poderia muito bem ter morrido também, mas sofreu em mais de uma ocasião de uma doença conhecida como pé de trincheira e foi retirado da linha de frente de combate várias vezes. Anos depois, Tolkien declarou indignado que aqueles que buscavam em seus trabalhos paralelos com a Segunda Guerra Mundial estavam inteiramente equivocados. Em suas palavras:

"Deve-se de fato passar pela sombra da guerra para sentir por completo sua opressão; mas a medida em que os anos passam, parece agora que com frequencia se esquece de que o fato de ser apanhado na juventude em 1914 não foi uma experiência menos terrível do que estar envolvido em 1939 e nos anos consecutivos. Por volta de 1918 todos os meus amigos mais próximos estavam mortos, com excessão de um."

Merton College, onde Tolkien foi professor de Língua Inglesa e Literatura (1945–1959)

O primeiro trabalho de Tolkien como civil após a Primeira Guerra Mundial foi no Oxford English Dictionary, para o qual ele trabalhou principalmente na história e etimologia das palavras de origem germânica que começam com a letra W. Em 1920, ele assumiu um cargo como leitor em língua inglesa na Universidade de Leeds, e se tornou o mais jovem professor de lá. Enquanto ficou em Leeds, ele produziu um Vocabulário de Inglês Medieval e uma edição definitiva de Sir Gawain e o Cavaleiro Verde com E. V. Gordon, e ambos esses trabalhos se tornaram obras acadêmicas padrão por várias décadas . Tolkien também traduziu Sir Gawain, Pearl, e Sir Orfeo. Em 1925, ele voltou para Oxford como professor de anglo-saxão, com uma bolsa de estudos no Pembroke College. Durante esse tempo no Pembroke College Tolkien escreveu O Hobbit e os dois primeiros volumes de O Senhor dos Anéis.

A palestra de Tolkien de 1936 intitulada "Beowulf: Os Monstros e Os Críticos", teve uma influência duradoura na pesquisa sobre Beowulf. Lewis E. Nicholson disse que o artigo que Tolkien escreveu sobre Beowulf é "amplamente reconhecido como uma reviravolta na crítica Beowulfiana". Na época, a ideia geral consolidade dentro da academia era de que Beowulf lidava basicamente com batalhas infantis contra monstros, ao invés em vez de com guerras tribais realistas. Tolkien defendeu que o autor de Beowulf escreveu sobre o destino humano em geral, e que não se limitava a uma política tribal específica. Portanto, os monstros eram essenciais para o poema. Já onde Beowulf de fato lida com determinadas lutas tribais, como a em Finnsburg, Tolkien argumentou firmemente contra ler o poema vendo elementos fantásticos. No ensaio, Tolkien também revelou como ele tinha Beowulf em alta conta: "Beowulf está entre minhas fontes mais preciosas", e essa influência pode ser vista ao longo de todo o Legendárium da Terra-média.

Em 2003, a tradução manuscrita de Tolkien de Beowulf com comentários sobre a obra, com cerca de 2000 páginas, foi descoberta nos arquivos da Bodleian Library.

No período que antecedeu a Segunda Guerra Mundial, Tolkien foi requizitado como um decifrador de códigos. Em janeiro de 1939, perguntaram-lhe se ele estaria preparado para servir no departamento de criptografia do Ministério das Relações Exteriores, no caso de uma emergência nacional. Ele respondeu afirmativamente. No entanto, embora estivesse empolgado com a perspectiva de se tornar um decifrador, foi informado em outubro que os seus serviços não seriam necessários naquele momento. Em 2009, o The Daily Telegraph afirmou que Tolkien recusou uma oferta de 500 libras por ano para se tornar um recruta em tempo integral por razões desconhecidas.

Em 1945, Tolkien se mudou para Merton College, Oxford, tornando-se o Professor Merton de Língua Inglesa e Literatura, cargo no qual permaneceu até sua aposentadoria em 1959. Tolkien concluiu O Senhor dos Anéis em 1948, quase uma década após os primeiros esboços. Tolkien também traduziu o Livro de Jonas para a Jerusalem Bible, que foi publicado em 1966.

Edith e J. R. R. Tolkien

Tolkien teve quatro filhos: John Francis Reuel Tolkien (17 de novembro de 1917 - 22 de janeiro de 2003), Michael Hilary Reuel Tolkien (22 de outubro de 1920 - 27 de fevereiro de 1984), Christopher John Reuel Tolkien (nascido em 21 de novembro de 1924) e Priscilla Mary Anne Reuel Tolkien (nascida em 18 de junho de 1929). Tolkien sempre se dedicou muito aos seus filhos, e costumava enviar-lhes cartas ilustradas do Pai Noel quando eles eram crianças. A cada ano foram apareciam mais personagens nas histórias, como o "Urso Polar do Norte" (ajudante do Pai Noel), o Homem de Neve (seu jardineiro), o elfo Ilbereth (seu secretário), e vários outros personagens menores. Os personagens principais estariam relatando contos de batalhas do Pai Noel contra goblins que cavalgavam sobre morcegos, além das muitas peças pregadas pelo Urso Polar do Norte.

Durante sua aposentadoria, de 1959 até sua morte em 1973, Tolkien recebeu cada vez mais atenção do público e se tornou relativamente famoso. As vendas de seus livros foram na época tão lucrativas que ele lamentou que não tivesse escolhido se aposentar mais cedo. No início, ele escreveu respostas entusiásticas às indagações dos leitores, mas com o tempo ficou cada vez mais descontente com a súbita popularidade de seus livros dentro do movimento de contra-cultura de 1960. Em uma carta de 1972, ele lamentou ter se tornado um figura cult, mas admitiu que: "até o nariz de um ídolo bastante modesto [...] não pode ficar inteiramente intocado pelo cheiro doce de incenso!"

A atenção dos fãs tornou-se tão intensa que eventualmente, ele e Edith mudaram-se para Bournemouth, que era então um resort à beira-mar frequentado pela classe alta britânica. O status de Tolkien como um autor best-seller garantiu-lhes entrada fácil na "sociedade educada", mas Tolkien sentiu muita falta da companhia de seus amigos Inklings.

Tolkien foi nomeado pela Rainha Elizabeth II um Comendador da Ordem do Império Britânico nas Honras de Ano Novo de 1 de Janeiro de 1972 e recebeu a insígnia da Ordem no Palácio de Buckingham em 28 de Março de 1972. No mesmo ano, a Universidade de Oxford conferiu-lhe um Doutorado Honoris Causa em Letras.

Edith Tolkien morreu em 29 de Novembro de 1971, com 82 anos de idade. Na época, Tolkien mandou gravar o nome "Lúthien" na lápide de Edith, no Wolvercote Cemetery, Oxford. Quando Tolkien morreu 21 meses depois, em 2 de setembro de 1973, com 81 anos, ele foi enterrado no mesmo túmulo, com o nome "Beren" acrescentado ao seu nome. Para quem não conhece a história de Beren e Lúthien, no Legendárium tolkieniano, Lúthien era a mais linda dentre todos os Filhos de Ilúvatar, e sendo de uma linhagem élfica, abandonou sua imortalidade por seu amor ao guerreiro mortal Beren. Como aconteceu com Tolkien e Edith, o pai de Lúthien concorda em dar a mão de Lúthien em casamento apenas se Beren concluir uma grande tarefa. Quando Beren é capturado pelas forças do Senhor das Trevas Morgoth tentando cumprir sua missão, Lúthien cavalga em seu socorro nas costas de Huan, o lobo guerreiro de Valinor. Em última instância, quando Beren é morto em batalha contra o demoníaco lobo Carcharoth, Lúthien, de forma similar a Orfeu, também morre e se aproxima dos deuses, convencendo-os a restaurar a vida de Beren e a sua própria, para que eles possam viver juntos na Terra-Média.

O túmulo de J. R. R. e Edith Tolkien, no Wolvercote Cemetery, em Oxford

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *